para amantes da sociologia
blog de ciências humanas

Celso Furtado


Celso Furtado (Pombal, 26 de julho de 1920 — Rio de Janeiro, 20 de novembro de 2004) foi grande inovador do pensamento econômico, não só no Brasil como em toda América Latina. É apontado como fundador da economia política brasileira. Seus trabalhos se desenvolveram principalmente junto à CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina).
Furtado participou ativamente da administração econômica do governo João Goulart, tendo sido responsável pelas diretrizes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE, hoje BNDES), e da SUDENE (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste).
A principal crítica que se faz a seu pensamento é ter servido de ideologia para burguesia nacional, em especial durante a política desenvolvimentista adotada pelo governo de Juscelino Kubitschek. Ao identificar os interesses da economia nacional em oposição ao capitalismo internacional, o pensamento de Furtado passou a ser visto como defensor dos interesses da sociedade brasileira como um todo. Seus estudos não levavam em conta as contradições internas que surgiriam com o avanço da burguesia e a adoção de uma política de desenvolvimento nacionalista. Até hoje, entretanto, as questões levantadas por ele continuam norteando o pensamento econômico brasileiro.

Dirigiu a elaboração do Plano Trienal de Desenvolvimento Econômico e Social, em 1962 e sem dúvida é um dos intelectuais mais importante da sociologia no Brasil.

CELSO FURTADO E SUA ANÁLISE DO SUBDESENVOLVIMENTO

A questão do subdesenvolvimento aparece como uma questão social a ser enfrentada pela sociologia e pela sociedade brasileira em diversos cientistas sociais. E Celso Furtado é um dos principais teóricos do subdesenvolvimento.
Ele propõe uma interpretação histórica da realidade econômica e, em especial, do subdesenvolvimento, entendidos como frutos das relações internacionais. Foi defensor da ideia de que o subdesenvolvimento não correspondia a uma etapa histórica das sociedades rumo ao capitalismo, mas se tratava de uma formação econômica gerada pelo próprio capitalismo internacional. Estabeleceu relações entre as diferentes formas de subdesenvolvimento, analisando situações extremas como a de países onde já havia um considerável desenvolvimento industrial (Brasil, México, Chile, Argentina, Uruguai, Colômbia e outros países cujo estado agrário não fora superado por formas mais modernas de exploração econômico, como a América Central e o Caribe).
Segundo Frutado, o subdesenvolvimento é uma forma de organização social no interior do sistema capitalista, e não uma etapa que antecederia o desenvolvimento. Segundo esse autor, os países subdesenvolvidos tiveram um processo de desenvolvimento indireto, em função do desenvolvimento dos países industrializados. Assim, o Brasil se tornou dependente de países desenvolvidos, condição quase impossível de ser superada, a não ser por meio de uma forte intervenção do Estado no setor industrial.
A análise de Furtado destaca a grande concentração de renda no nível mundial durante o século XX até a década de 1950, que ampliou a separação entre países ricos e pobres, desenvolvidos e subdesenvolvidos. A definição de subdesenvolvimento, portanto, se insere em um quadro de relações de dominação e dependência entre países, relações estas que tendem a se perpetuar.
Para sair da condição de país subdesenvolvido seria necessário que em meados do século XX o Brasil tivesse estabelecido novas prioridades com o objetivo de atingir uma nova concepção de desenvolvimento. O subdesenvolvimento deveria ser neutralizado a partir de uma ação política que em lugar de reproduzir os padrões de consumo de minorias abastadas passasse a privilegiar a satisfação de necessidades fundamentais da população como um todo, tais como a educação pública. Entretanto, essa ação política sugerida por Celso Furtado não foi implementada pelo Estado brasileiro. Assim, ainda hoje o país se encontra em situação de dependência em relação a países de economia mais forte e as desigualdades permanecem.

Para Saber Mais: Centro Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento:  http://www.centrocelsofurtado.org.br/

Nenhum comentário