para amantes da sociologia
blog de ciências humanas

Karl Marx:Trabalho Assalariado e Capital


Por Jeniffer Modenuti

O trabalho possui a propriedade de criar valor e ele possui em si um valor muito mais que aquele que é empregado à mercadoria.

O valor de uma mercadoria passou a ser definido a partir dos custos da produção do operário, medido através das observações realizadas sobre as condições de sua sobrevivência.

O operário põe à disposição do capitalista a sua força de trabalho em troca de um salário determinado. Ele aluga ou vende sua força de trabalho por tempo e preço definidos. Essa força, que tem a propriedade de criar valores, produz muito mais valor do que aquilo que lhe é pago.

A classe trabalhadora é a verdadeira criadora de valores. Ela é o motor da história. No entanto, seu trabalho não lhe pertence. As mercadorias por esta classe produzidas pertencem ao burguês, ao capitalista, ou seja, ao detentor dos meios de produção. Eles alugam a força de trabalho da classe operária e só lhe pagam uma mísera parte de toda a riqueza que essa força produz.

A sociedade capitalista está envolta à ilusão de que as relações de trabalho são individuais, onde todos são livres e iguais, recebendo igualmente o que lhe é de direito. A maneira como o capital é empregado esconde os antagonismos de classe em que a sociedade vive, uma vez que apresenta o salário pago pelo proprietário dos bens de produção ao trabalhador como se fosse equivalente ao trabalho realizado.

Contudo há toda uma lógica capitalista que envolve os proletários em uma ilusão, abaixando seus salários e desorganizando essa classe.

O capitalista é portador do capital e também da classe trabalhadora. O capitalista coloca os trabalhadores em concorrência por um cargo, fazendo assim que a grande procura diante a enorme demanda de trabalhadores por determinado emprego abaixe o salário pago.

O salário é o valor pago ao operário por certo tempo de trabalho ou serviço prestado. O que ocorre é a venda da força de trabalho do proletário por certa quantia em dinheiro, caracterizando, assim, a força de trabalho como qualquer outra mercadoria. Seu valor subirá ou cairá conforme a concorrência, o grau de especialização, etc.

O proletário não trabalha por prazer, mas simplesmente para sobreviver, recebendo em troca um valor suficiente que garanta sua subsistência, para que assim continue trabalhando.

O salário não será retirado do trabalho do homem, mas do próprio capital já acumulado pelo capitalista. E ele será determinado pelas mesmas leis que determinam qualquer outra mercadoria.

O salário não é, portanto, uma quota-parte do operário na mercadoria por ele produzida. O salário é a parte de mercadoria já existente, com que o capitalista compra para si uma determinada quantidade de força de trabalho produtiva. (MARX. 1982. p. 14)

Essa relação social de produção é fruto de um processo histórico. Em cada sociedade o trabalho era visto de uma forma diferente, fruto dos meios de produção existentes. Na sociedade capitalista, a existência dessa acumulação burguesa de riquezas é fruto da exploração de trabalhadores livres, expropriados das terras e jogados na cidade para servirem de mão de obra barata e miserável na mão dos capitalistas.

Os operários produzirão a riqueza de seus patrões, pois suas mercadorias serão vendidas no mercado e gerarão lucros ao capitalista que reterá a maior parte do valor, acumulando grandes riquezas.

A relação entre capital, força de trabalho e salário pode ser sintetizada nas seguintes palavras de Marx:

«O que o operário produz para si não é a seda que tece, não é o ouro que extrai das minas, não é o palácio que constrói. O que ele produz para si é o salário», o rendimento proveniente «dessa atividade essencial que ele vende a um outro para conseguir os necessários meios de subsistência» (idem, p.38).

O capital consiste de matérias-primas, instrumentos de trabalho e meios de subsistência de toda a espécie que são empregues para produzir novas matérias-primas, novos instrumentos de trabalho e novos meios de subsistência. Todas estas suas partes constitutivas são criações do trabalho, produtos do trabalho, trabalho acumulado. Trabalho acumulado que serve de meio para nova produção é capital. (idem, p.21) [...] E, além disso, o capital é uma soma de mercadorias, valores de troca e grandezas sociais. (idem, p.22).

O trabalho assalariado consagra uma relação em que diferentes funções sociais cabem a cada classe social.

O capital também é uma relação social de produção. É uma relação burguesa de produção, uma relação de produção da sociedade burguesa. Os meios de vida, os instrumentos de trabalho, as matérias-primas que constituem o capital não foram produzidos e acumulados em determinadas condições sociais, em determinadas relações sociais? Não são eles utilizados na futura produção, em determinadas condições sociais, em determinadas relações sociais? E não é precisamente esse caráter social determinado quem converte em capital os produtos destinados à futura produção? (idem, p. 22).

Capital e trabalho assalariado condicionam-se reciprocamente, se dão origem reciprocamente.

O capital só se pode multiplicar trocando-se por força de trabalho, trazendo à vida o trabalho assalariado. A força de trabalho do operário assalariado só se pode trocar por capital multiplicando o capital, fortalecendo o poder de que é escrava. Multiplicação do capital é, por isso, multiplicação do proletariado, isto é, da classe operária. (idem, p. 25).

Para que o capital exista, é necessário que haja uma classe que não tenha nada além de vender sua própria força de trabalho. Esse trabalho vivo é essencial para que sirva ao trabalho acumulado, acumulando capital e aumentando seu valor de troca.

Aqui marca-se firmemente a relação entre burguês e proletário, onde o proletário para sobreviver despende ao capitalista a sua força de trabalho para que este possa viver.

Os produtos e os resultados finais do trabalho operário, para além de deixar de lhe pertencer, passam a ser propriedade do capitalista.

Os interesses do capital e os interesses dos operários são os mesmos — significa apenas: capital e trabalho assalariado são duas facetas duma mesma relação. Uma condiciona a outra como o usurário e o dissipador se condicionam reciprocamente. (idem, p. 25)

O crescimento de capital condicionará maior uso de força de trabalho, o que é um fator positivo aos proletários, visando o aumento de salário. Porém esta é uma visão otimista.

Contudo, os interesses do capital e do trabalho assalariado são opostos.

O aumento do capital implicará aumento do lucro. Haverá apenas a ilusão de que o salário aumentou, pois proporcionalmente não ocorre isso. “lucro e salário ficam, tal como antes, em relação inversa um ao outro”, pois o que interessa ao operário é o crescimento do capital produtivo e o real crescimento do salário.

A alienação dos trabalhadores e o fetichismo das mercadorias escondem os reais antagonismos e contradições em que se encontra a sociedade capitalista. Acadêmicos e ideólogos apontam-nos uma ideologia que seguimos sem pestanejar, contudo essas ideias difundidas são as ideias da classe dominante – a burguesia, que através das ilusões de individualidade conferida pelo capitalismo e de equivalência de valores garantida pelo salário, ludibria os trabalhadores ao redor do mundo enquanto ela se apropria da riqueza gerada pela força de trabalho acumulando grandes capitais.
Importante salientar neste momento o ultimato de Marx a todos os trabalhadores, que como força poderosa e revolucionária que são, compreendam as contradições que os rodeiam e reflitam em busca da transformação da sociedade e destruição dos antagonismos de classes sociais.



Referência:
MARX, Karl. Trabalho assalariado e capital. Editorial "Avante!". Edições Progresso Lisboa: Moscovo. 1982.

Nenhum comentário